ARTIGO

Peruíbe é pioneira na exploração do turismo ufológico no continente

Por Laura Maria Elias | Edição 236 | 01 de Julho de 2016


Créditos: PAULA GUINLE

Peruíbe, estância balneária do litoral sul de São Paulo, tem inúmeras qualidades históricas e uma intensa casuística ufológica, que envolve até aterrissagens de naves, abduções e contatos com seus tripulantes. Centenas de habitantes do município declaram já terem visto luzes inexplicáveis no céu ou mesmo seres desconhecidos. São tantas as ocorrências — sempre acompanhadas de perto pela Revista UFO — que a Prefeitura Municipal decidiu, já há 10 anos, implantar na cidade o primeiro roteiro para turismo ufológico do país, explorando conscientemente a presença constante de naves e sondas no município como uma atração para suas belezas naturais. O anúncio da implantação foi dado em novembro de 2009 pelo então diretor do Departamento de Turismo e Cultura de Peruíbe. A ideia ainda está em pé.

O resultado da fundação do Roteiro Ufológico de Peruíbe é que desde então turistas e moradores que visitarem diversos pontos escolhidos para comporem-no receberão informações detalhadas dos acontecimentos de tais locais, dos quais sete se destacam. São eles a Barra do Una, a Ruína do Abarebebê, Guaraú, Perequê, Bairro São José, o conjunto da praia, canal e Costão de Peruíbe e a Pedra da Serpente [Veja box]. Em cada um destes pontos foi registrada a presença de objetos voadores não identificados. Dos locais de visitação, o último a entrar para a lista foi um terreno no Bairro São José, onde, em agosto de 2008, testemunhas relataram que um disco voador aterrissou ali — a prefeitura planeja construir um planetário no local.

Moradores e empresários de Peruíbe vivem o fato de sua cidade ser a primeira do Brasil, e uma das poucas do mundo, a ter a noção de que o Ufoturismo pode ser uma atividade lucrativa, desde que praticada com seriedade. “É isso mesmo o que pretendemos aqui, fazer com que pessoas que residem em Peruíbe se orgulhem de sua situação de ponto de alta incidência ufológica e mostrem tais fatos aos visitantes”, afirma Eduardo Ribas, também do Departamento de Turismo e um dos grandes entusiastas do Roteiro. Sua implantação, diga-se, já era solicitada pela população há muito tempo, desde que se detectou a intensa casuística ufológica local.

Teorias e suspeitas

Ainda não se sabe os motivos que atraem os UFOs para aquela área do litoral sul de São Paulo, mas entre as teorias defendidas por pesquisadores está o fato de que seu solo é rico em minérios, além de o município deter grande diversidade biológica. Em toda a vasta região são comuns as manifestações de naves sobre ou próximas ao oceano, como a que ocorreu em 13 de dezembro de 2009 envolvendo dezenas de testemunhas, inclusive o analista de suporte da UFO, Ismael A. R. Vieira, e sua família. Na referida noite houve um grande número de ocorrências ufológicas, indo desde luzes maiores estacionárias a artefatos menores e mais velozes. “Foi um verdadeiro show”, disse Vieira. Casos como este são comuns na região e já foram publicados à exaustão aqui [Veja edição UFO Especial 043, agora disponível na íntegra em ufo.com.br].

Peruíbe tem duas reservas de preservação ambiental riquíssimas, a Estação Ecológica da Jureia e o Parque Estadual da Serra do Mar — e em ambos os locais há igualmente centenas de casos de natureza ufológica. Também há na vasta área do município registros de locais de aterrissagens de UFOs, apelidados de “ninhos”, como o ocorrido há alguns anos no citado Bairro São José, transformado em ponto de atração do Roteiro Ufológico de Peruíbe. O conjunto da expressiva casuística local, que se estende por todo o litoral sul de São Paulo, é rico e abundante, contando com inúmeros avistamentos diurnos e noturnos e até casos de abduções alienígenas. “O estudo dos fatos registrados na região levou à conclusão de que os casos se concentram em determinada área do oceano, na proximidade da Ilha da Queimada Grande, único lugar do mundo onde vive a cobra jararaca ilhoa, incentivando a formulação da hipótese de que haveria naquele ponto algum tipo de base submarina ou portal”, diz o ufólogo Paulo Aníbal Mesquita.

crédito: PAULA GUINLE
Uma das praias de Peruíbe, adjacente à Vila da Barra do Rio Una, ponto de alta incidência ufológica e também de belezas extasiantes
Uma das praias de Peruíbe, adjacente à Vila da Barra do Rio Una, ponto de alta incidência ufológica e também de belezas extasiantes

Para outros estudiosos dos fenômenos de Peruíbe, praticamente não se passa uma noite sem um avistamento no local, o que justifica a tomada de decisão por parte da Prefeitura Municipal. Somam-se às interessantes ocorrências ufológicas aquelas que são narradas por marinheiros, pescadores e turistas, que observam com regularidade artefatos luminosos submergirem e emergirem daquelas águas. São os chamados objetos submarinos não identificados (OSNIs), que parecem encontrar refúgio na zona em que está Peruíbe e cidades vizinhas. Os casos são recorrentes e remontam há décadas.

Os sete pontos turísticos selecionados para comporem o Roteiro Ufológico de Peruíbe já recebem visitas constantes há anos, como ocorrido em 12 de junho passado, quando o município sediou seu tradicional Encontro Ufológico de Peruíbe, já em sua décima primeira edição — foi uma noite e um dia inteiro de palestras e o domingo seguinte reservado à atividade ufoturística, da qual, desta vez, participaram dezenas de pessoas. “É bastante compensador realizar este evento todos os anos e, como parte de sua movimentada agenda, levar as pessoas para conhecerem os ‘locais ufológicos’ da cidade”, disse Ribas, que praticamente é o organizador do Roteiro e também atua como guia turístico.

Divisas para o município

Acredita-se que Ufoturismo trará divisas para o município, o que é benéfico para a comunidade e ampliará a divulgação do Fenômeno UFO naquela região e em todo o Brasil. “Mais um resultado importante da iniciativa é o grande incentivo que será dado à preservação ambiental, em especial dos locais escolhidos, pontos de grande intensidade de ocorrências. A necessidade de preservação destes locais é evidente”, declara Mesquita. No caso do pouso no Bairro São José, em 2008, antes da implantação do Roteiro, estima-se que mais de cinco mil pessoas entraram no terreno, descaracterizando a marca deixada pelo UFO. Agora, como parte das propostas do Roteiro está a de preservar perenemente tais locais.

Uma das atrações turísticas mais visitadas de Peruíbe é também local de intensa incidência ufológica. Trata-se da Pedra da Serpente, que está localizada na encosta da Serra do Mar, acessível pela estrada que leva à localidade de Guaraú, a cerca de 10 km do centro de Peruíbe e um agradável local de descanso. É uma imensa parede rochosa vertical, onde antigamente havia uma imagem que lembrava serpente encurvada. Na beira da estrada, com um céu totalmente limpo, é possível de lá observar a Ilha da Queimada Grande, local em que pesquisadores sustentam haver inúmeros avistamentos de luzes e objetos não identificados, assim como de insólitos seres luminosos. Por exemplo, até hoje há relatos da observação no local de uma entidade loira com cerca de 2 m de altura e cabelos longos, vestindo um tipo de macacão prateado.

Em certas ocasiões, o estranho ser se apresenta com uma túnica branca e com o símbolo de uma serpente no peito, alegam os moradores que o viram. O tema é tabu. O estranho ser, ainda segundo narrativas, adentraria a rocha e desapareceria após assustar os observadores. De forma mais concreta, ocorrências de avistamentos de UFOs e de sondas são frequentes na área, como o que ocorreu à jovem estudante Suzana Rodrigues, em uma noite na década passada. O caso foi levantado pelo ufólogo Wallacy Albino, antigo consultor da Revista UFO e hoje falecido. Albino apurou que a moça, de dentro de seu automóvel, ao aproximar-se da curva em torno da rocha, viu duas bolas de luz brancas no céu — e uma delas lhe deu a impressão de que saía da pedra. A testemunha parou o automóvel e observou que os artefatos luminosos seguiram em direção ao mar, um deles mergulhando na água e indo submerso na direção da Ilha de Queimada Grande.

Elevado índice de avistamentos

Mistura de praia e serra, o citado Guaraú também é um local com elevado índice de avistamentos. São inúmeros testemunhos registrados por pesquisadores, como o prestado pelo dono de uma pousada, que avistou uma bola de fogo no céu. O artefato fez o trajeto entre um morro da Praia da Desertinha e o Morro dos Macacos, e quando o atingiu fez com que a energia elétrica diminuísse de intensidade e quase apagasse. Em uma dada ocasião de 2002, em vigília ufológica feita no local, um objeto circular azulado foi avistado por inúmeras pessoas no céu. Segundo o escritor Oswaldo Herrera, há ali “moradores invisíveis, que eram vistos nos tempos antigos, quando não haviam estradas e se andava por picadas e trilhas”. Até algum tempo, no local onde hoje é a Estrada do Guaraú, dizia-se que uma espécie de portal se abria em certas noites e expelia fumaça e fogo. Em certo dia, no entanto, a área apareceu fechada, como se soldada por uma energia estranha — a partir de então nunca mais foi vista aberta e até hoje os moradores do Guaraú consideram o ponto sagrado. Dizem que dentro da montanha há um tipo especial de vida, com “moradores” que protegem Peruíbe.

Igualmente com intensa incidência ufológica é a região do Perequê, ainda na área de abrangência do Roteiro Ufológico de Peruíbe. Os avistamentos lá abundam, como o ocorrido em 2001 com Ernandes M. Costa. Em dada noite ele observou uma forte luz alternando entre o dourado e o prateado, vinda da direção do Morro do Juquiá. Aos poucos o UFO foi aumentando de tamanho, até que Costa pudesse perceber detalhes de sua estrutura. Ele se assemelhava a “um ônibus de extremidades arredondadas com uma fileira de janelas”. O aparelho passou sobre sua cabeça a uma altitude de cerca de 50 m, no instante em que testemunha teve sensação de levitação e arrepios por todo o corpo. Costa declarou a um pesquisador que a luz emanada do UFO iluminava também o seu corpo. Fato semelhante ocorreu a Ezequiel R. Costa, o Teco, que relatou avistamentos de UFOs na região do Perequê, quando trabalhava como caseiro em uma propriedade.

Ainda não se sabe os motivos que atraem os UFOs para aquela área do litoral sul de São Paulo, mas entre as teorias defendidas por pesquisadores está o fato de que seu solo é rico em minérios, além de o município deter grande diversidade biológica

“Era uma noite de junho com Lua cheia quando eu e um amigo observamos um aparelho muito brilhante que vinha do sul e acabou passando sobre a mata que há na chácara”, disse Teco. Depois o aparelho pairou acima de uma árvore, a pouca distância das testemunhas — foi quando ambos puderam ver seus detalhes, como o formato de um imenso triângulo com forte luz branco-amarelada. “Na parte inferior do aparelho havia três pontos esféricos com intenso brilho. Mas após alguns minutos o objeto levantou voo e sumiu”, disse. Teco relatou ainda que, algumas noites depois, um artefato intensamente iluminado surgiu vindo do sul e entrou na mata da chácara. Quanto a este novo incidente, no dia seguinte as testemunhas e o proprietário foram ao local do suposto pouso e encontraram uma marca circular amarelada de cerca de 6 m de diâmetro e com vegetação amassada e queimada no interior. No local também havia uma mangueira de borracha, que foi totalmente derretida pelo calor emanado pelo UFO.

Avistamento impressionante

Turistas e ufólogos que vão a Peruíbe comumente ouvem relatos de avistamentos em um local chamado Barra do Rio Uma ou simplesmente Barra do Una. Uma pessoa que teve uma impressionante experiência lá é o pescador Beronildo Santana, que relata que em 26 de junho de 2001, por volta 20h00, seus colegas que se encontravam no mar e outros na Praia do Una avistaram uma forte luz de cor alaranjada e vermelha que vinha do sentido da Praia do Caramborê. “Ao chegar na frente da Barra do Una, o objeto parou a cerca de 100 m de altura. Por volta das 21h00, todos percebemos uma outra luz igual, que agora vinha do Rio Una e aproximou-se da primeira, acoplando-se a ela em pleno ar”, declarou Santana. Em seguida, as luzes se tornaram uma só, mas meia hora depois se separaram, tendo uma se dirigido ao alto-mar e a outra vindo na direção da praia.

“Muitos moradores que se encontravam nas ruas fugiram para suas casas, com medo do fenômeno e fechando portas e janelas”, disse um ufólogo. Hoje sabe-se que, na sequência do avistamento, o UFO passou a baixa altitude e lentamente pela vila, chegando a iluminar o interior dos domicílios, que se encontravam sem luz elétrica — sua aproximação fez explodir o gerador de força da vila. Igualmente na Barra do Una foi colhido um relato muito interessante do pouso de um UFO ocorrido em setembro de 2001, quando um casal passou por uma experiência incrível. Em uma região da praia, por volta de uma hora da madrugada, de repente surgiu uma enorme bola de luz branca pairada sobre a areia. Então, dois seres luminosos saíram da esfera e um deles caminhou na direção do casal. Marido e mulher saíram correndo assustados. Mas ela, antes de partir, olhou para trás e reparou que os seres estavam flutuando próximo ao chão. Em seguida, voltaram para dentro da grande bola de luz, que subiu ao ar sem emitir qualquer tipo de ruído.

crédito: ARQUIVO GEUBS
A marca de pouso de um disco voador no Bairro São José sendo documentada por ufólogos locais
A marca de pouso de um disco voador no Bairro São José sendo documentada por ufólogos locais

Sítios arqueológicos também são abundantes em Peruíbe e, claro, estão incluídos no Roteiro Ufológico de Peruíbe. Este é o caso, principalmente, das Ruínas do Abarebebê, ou o que sobrou da Igreja de São João Batista, parte do único aldeamento do litoral paulista no passado. Na literatura sobre a cidade se descobre que era ali que os índios eram reunidos por membros da Coroa Portuguesa ou pelos jesuítas. A Igreja de São João Batista, agora destruída, deu lugar a um sítio arqueológico protegido por lei. Integrantes da Universidade de São Paulo (USP) realizaram escavações na área, resgatando milhares de peças arqueológicas dos séculos XVI ao XIX, além de enterros humanos no solo da igreja, como era comum séculos atrás.

O padre voador

As Ruínas do Abarebebê foram reabertas ao público em 2000, e hoje se parecem com um museu a céu aberto. O termo Abarebebê está relacionado ao jesuíta Leonardo Nunes, que, por andar rapidamente, os índios apelidaram de abareveve ou abarebebê, literalmente “padre voador” em tupi. “Ali também já se viu muito disco voador”, informa Ribas. Este é o caso, por exemplo, de um morador que, no outono de 1997, quando andava pela praia com a família, observou uma imensa luz esbranquiçada. “Era como se fosse um grande farol no céu”, disse, sem querer se identificar. A luz se deslocou das Ruínas no sentido oposto para onde estavam caminhando. “Ela subiu e pairou no ar, e depois começou a movimentar-se velozmente, inclusive fazendo inúmeras manobras abruptas, até em ângulo reto, durante uns 15 minutos. Quando parou no céu bem acima de nossa cabeça, sumiu”, relatou a testemunha.

O citado episódio ufológico ocorrido no Bairro São José é um dos mais importantes da rica casuística ufológica de Peruíbe. O pouso de um UFO no local teria ocorrido de 18 para 19 de agosto de 2008, quando um objeto desconhecido tocou o solo de um terreno de taboa daquela localidade, resultando em um amassamento em forma oval, encontrada na manhã seguinte — em seu interior, a vegetação foi amassada seguindo o padrão de caules inclinados no sentido noroeste e a pouca altura do solo. Segundo o ufólogo Wallacy Albino, “nas margens da marca o mato estava com padrão de curva ascendente, como se o local tivesse sido penteado”. O sinal tinha quase 15 m no seu eixo maior e 9 m no menor, e a inclinação da vegetação ocorreu no sentido sudeste para noroeste, como foi verificado com uma bússola, que não apresentou nenhuma anormalidade de natureza magnética.

“Quase duas horas antes do momento presumido do pouso, o UFO, esférico e de cor vermelho-alaranjada, foi fotografado pelo jovem M. A., morador da região. A vizinha do terreno onde surgiu a marca, Carla Maria Francelina, relatou que seus cachorros começaram a latir e a rosnar como se estivessem com medo de algo por perto”, disse Mesquita em um artigo na Revista UFO. Naquela hora teria havido queda de luz e um forte barulho, acompanhado de uma intensa luz avermelhada brilhando por vários segundos. O morador Clodoaldo de Souza relatou que, na mesma hora, observou uma imensa bola de luz que vinha do Bairro Bananal, que desceu nas proximidades da casa de Carla. “Nunca vi nada como aquilo, mas foi muito rápido”, declarou.

Sondas ufológicas

Também são comuns as observações de sondas na área do Rio Peruíbe, especialmente na localidade do Costão. Um morador do local conta uma experiência que viveu. Oswaldo Capi estava com alguns de seus vizinhos em 25 de novembro de 2005, por volta das 23h30, quando o aparelho de TV e a luz de sua casa começaram a falhar e a piscar várias vezes, até se apagarem. “Logo em seguida, fui para a varanda, de onde tenho uma visão completa da serra, e observei um imenso objeto com a forma de uma raia acinzentada e com intensa luminosidade branco-amarelada, deslocando-se lentamente a baixa altitude e a poucas dezenas de metros do solo”, declarou Capi. Conforme também informou, o tamanho do artefato era comparável ao do ginásio perto da sua casa, ou seja, algo com cerca de 70 m de comprimento. Logo em seguida o UFO se deslocou no sentido da serra, sumiu e a luz elétrica se normalizou.

Sítios arqueológicos também são abundantes na cidade e estão incluídos no Roteiro Ufológico de Peruíbe. Este é o caso, principalmente, das Ruínas do Abarebebê, o que sobrou da Igreja de São João Batista, parte do único aldeamento ali no passado

O pescador Reginaldo Silas também avistou UFOs inúmeras vezes sobrevoando a região, sempre durante a noite, inclusive passando a poucos metros da sua casa. Silas descreveu os artefatos como “bolas iluminadas, esbranquiçadas e até alaranjadas”. Pelo que informam os moradores, seja informalmente ou em pesquisas ufológicas, toda a extensão da praia de Peruíbe é um ótimo ponto de avistamentos de UFOs. O local, definitivamente, é um hot spot de naves alienígenas, que parecem se concentrar naquela faixa de oceano. Não é à toa, portanto, que a cidade de Peruíbe tenha a fama de ser um dos locais com mais possibilidades de avistamento de discos voadores e de sondas ufológicas do país — mas raro mesmo de se ver em nosso país são autoridades municipais conscientes que decidem explorar de maneira sensata e autossustentável tal condição.

“Deuses astronautas”

Por isso, já há mais de uma década, o município realiza anualmente seu Encontro Ufológico de Peruíbe, no qual está incluso o Roteiro Ufológico. O deste ano, realizado de 10 a 12 de junho, contou com a participação de nada menos do que 400 pessoas de todas as partes do Brasil, que assistiram a quase uma dúzia de palestras sobre os mais variados aspectos da Ufologia. Patrocinado e promovido pela Prefeitura Municipal, o evento foi organizado pela Revista UFO, convidada a realizar tal ação por sua vasta experiência. O ponto alto do encontro deste ano foi a conferência do arqueólogo e pesquisador canadense Brien Foerster, que hoje está radicado no sul do Peru e estuda os sinais deixados no passado por “deuses astronautas” [Veja box].

crédito: ANTHONY CHOY
As chamadas sondas ufológicas são constantemente observadas nos arredores do município de Peruíbe
As chamadas sondas ufológicas são constantemente observadas nos arredores do município de Peruíbe

Espera-se agora que a Prefeitura Municipal inspire com seu excelente exemplo tantas outras cidades do país e do exterior, reconhecendo e valorizando seu rico repertório de ocorrências ufológicas. No continente, além de Peruíbe, apenas San Clemente, no Chile, a 200 km de Santiago, tem uma atividade ufoturística semelhante, mas ainda incipiente. A Revista UFO também foi lá para conferir. Iniciativas como a de Peruíbe e a chilena ajudam significativamente a elevar as discussões sobre a presença alienígena na Terra, alertando e informando a sociedade sobre esta inegável realidade. Ano que vem tem mais evento na cidade.


Encontro em Peruíbe, em junho, teve a presença de Brien Foerster

Peruíbe também é nacionalmente conhecida no meio ufológico por realizar anualmente um tradicional evento em que se tratam de todos os aspectos da presença alienígena na Terra. É o Encontro Ufológico de Peruíbe, que neste ano, em junho, teve sua décima primeira edição. É promovido e patrocinado pela Prefeitura Municipal, que regularmente convoca a Revista UFO e seus integrantes para realizá-lo, tendo em vista a experiência da publicação na organização de atividades ufológicas deste porte.

Entre os brasileiros convidados pela UFO neste ano estiveram Marco A. Petit, Toni Inajar Kurowski, Ricardo Varela, Laura Maria Elias, Gener Silva, Marco Aurélio de Seixas e Alexandre Ito. Temas de grande envergadura da Ufologia atual estiveram na pauta, como os clássicos Caso Varginha e a Noite Oficial dos UFOs no Brasil, abordados, respectivamente, por Petit e Varela. De polêmico, Laura apresentou seu estudo sobre a origem do personagem Ashtar Sheran. Todas as palestras foram muito bem recebidas e elogiadas, dando ao público de cerca de 400 pessoas uma visão abrangente e panorâmica da ação na Terra de seres extraterrestres. Para complementá-la, Silva apresentou o tema “Mensagens Alienígenas: O Que Querem Dizer?” e Seixas desafiou o raciocínio coletivo com a proposta “As Origens da Fé e a Necessidade de Acreditar em Algo Superior”.

A estrela internacional da ocasião foi o arqueólogo, conferencista e autor canadense Brien Foerster, autor do livro Crânios Alongados do Peru e Bolívia [Anunaki Editora, 2015], mesmo tema que tratou no encontro. Foerster, figura constante em programas como Alienígenas do Passado, do History Channel, tem feito enorme sucesso em todo o mundo com suas consistentes pesquisas que indicam que, inspirados por visitantes alienígenas, nossos antepassados em várias partes do planeta decidiram implementar a técnica de deformarem seus crânios, alongando-os verticalmente. “Talvez seja porque quisessem imitar os visitantes”, teorizou o pesquisador.

O Roteiro Ufológico de Peruíbe

O grande número de avistamentos de UFOs na região fizeram de Peruíbe uma das cidades mais procuradas para quem deseja conhecer algo sobre o assunto e realizar vigílias com objetivo de avistar naves alienígenas, principalmente nas praias do Guaraú. A área, que está próxima à Estação Ecológica da Jureia, uma das maiores reservas florestais do país, concentra 40% de todos os relatos de avistamentos em São Paulo. Em números absolutos, já foram contabilizados mais de 300 casos do gênero em Peruíbe desde os anos 80 até agora. As aparições são mais comuns no outono, inverno e primavera, períodos mais secos em que o céu fica aberto, facilitando a visualização do fenômeno.

Peruíbe é a única cidade do Brasil a ter uma atividade ufoturística perene, iniciativa que hoje se destaca na imprensa nacional. A atividade foi idealizada em 2001, quando Eduardo Ribas, proprietário da Agência Trilhas da Jureia, às vésperas do I Evento Ufológico de Peruíbe — quando se projetava a participação de 800 pessoas — teve a feliz ideia quando pensou o seguinte: “Se o turista comum adora um city tour, com certeza o participante de um congresso ufológico se interessará por um tour temático”. Diante desta certeza, criou-se em 2009o Roteiro Ufológico de Peruíbe, o primeiro do país. Alguns dos pontos visitados pelos constantes participantes do Roteiro estão a seguir.

Bairro São José Local em que tem início o Roteiro. É onde, em 2008, houve o pouso de uma nave alienígena. Na área foi possível observar uma marca inusitada na vegetação de taboa, típica de ambientes encharcados do litoral sul de São Paulo.

Ruínas do Abarebebê É a localidade mais antiga do município, com escombros de uma das primeiras igrejas construídas no Brasil. Fica em uma pequena colina e já ocorreram avistamentos ufológicos no local, que são analisados pelos ufólogos da região.

Praia do Costão Local ao sul do município, encostado em um morro, onde há muitos relatos de avistamentos. Diversos moradores já presenciaram UFOs ali, muitas vezes parecendo emergir ou submergir do oceano à frente. Os casos são inúmeros e muitos estão sob investigação de estudiosos [Foto superior].

Portal da Pedra da Serpente Formação rochosa existente na Estrada do Guaraú, em um local onde se tem uma visão panorâmica e privilegiada do mar, das ilhas e da Ponta da Prainha. Ali à frente, a Ilha das Cobras ou Queimada Grande é local em cujas proximidades haveria uma base extraterrestre submersa. Claro, é só uma hipótese, mas muito coerente [Foto inferior].

Guaraú Um dos locais de mais incidência ufológica na região. Recentemente, diversas pessoas testemunharam sobre o Maciço dos Itatins, visível dali, um cone de luz subindo da serra para o céu e, a seguir, uma grande esfera elevando-se lentamente.

Corredeiras do Perequê Nelas há diversos relatos de manifestações ufológicas. No local está a Pousada Cavalo de Pedra, na qual o senhor Roque Hipóllito promovia eventos ufológicos e tinha em seus arquivos diversos relatos de avistamentos ufológicos. Há vários historiadores de UFOs na área.

Barra do Una No local, de natureza exuberante e lindas praias, há diversos relatos de ocorrências mas a mais interessante foi o avistamento de um UFO quando houve simultaneamente o estouro de um transformador e blecaute na cidade, ocorrências comumente associadas ao Fenômeno UFO.

Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO. O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site.

Login

Sobre o Autor

Laura Maria Elias

É economista, estudiosa da interpretação sociológica da Ufologia e atua como consultora da UFO.

Comentários