ARTIGO

Objetos submarinos vistos no Caribe

Por Jorge Martín | Edição 70 | 01 de Fevereiro de 2013


Créditos: Thomas MacKenzie

Quando se fala em objetos submarinos não identificados, os países do Caribe sempre são lembrados. Circundados por belos mares de águas ora azul-turquesa, ora verde-esmeralda, tais locais são alvos de constantes avistamentos ufológicos, que não raro são causados por naves que saem ou penetram nas águas — algumas vezes elas surgem também de lagoas e rios. Não raramente, ao saírem dos oceanos ou antes de voltarem para eles, fazem incursões pelos terrenos, onde podem pousar ou até abduzir pessoas. Em algumas circunstâncias, podem ser registrados por câmeras de vigilância, de moradores ou turistas e até mesmo a partir do espaço.

Há alguns anos o cientista Mark Carlotto divulgou o estudo New Frontier in Science [Nova Fronteira da Ciência], em que faz uma análise científica das diversas anomalias presentes nos vídeos produzidos durante o programa das missões espaciais norte-americanas STS-48 e STS-80, esta última realizada pelo ônibus espacial Columbia em 19 de novembro de 1996. O fenômeno mais interessante apresentado na pesquisa de Carlotto foi filmado pela tripulação da STS-80 e denominado pelo pesquisador de F-1. Segundo ele, a manifestação foi registrada numa área localizada a leste de Porto Rico, mais especificamente na região sul da ilha de Vieques. Trata-se de um grande objeto luminoso que aparentemente saiu do mar em um ponto próximo ao sul da região e depois ascendeu até o espaço. Ao se aproximar da Columbia, o artefato deu uma guinada para a esquerda e desapareceu do campo de visão dos astronautas.

O acobertamento sobre a manobra militar não perdurou e logo se descobriu que as autoridades estavam agindo sob ordens secretas emitidas pelo ex-presidente Bill Clinton, que declarou que Vieques estava ‘em estado de rebelião’

País livre associado aos Estados Unidos, Porto Rico é um arquipélago localizado no Mar das Caraíbas constituído de uma ilha maior e homônima e outras menores, dentre as quais se destacam Vieques, Mona e Culebra. Sua capital é a cidade de San Juan. O país detém uma das mais elevadas taxas de manifestação ufológica de toda a vasta área do Caribe, com acontecimentos marcantes que são registrados tanto à luz do dia quanto de noite. Especula-se que tamanha incidência seja devida à existência, em vários pontos do arquipélago, de sofisticadas instalações militares norte-americanas — de todas as ilhas, Vieques é justamente a mais visitada por objetos voadores e submarinos não identificados.

O assunto vem sendo documentado há décadas. No livro Vieques: A Caribbean UFO Coverup of the Third Kind [Vieques: Um Acobertamento Ufológico Caribenho de Terceiro Grau, Editora Cedicop, 2001], deste autor, descrevo muitos incidentes envolvendo UFOs e alienígenas que ocorreram naquela área. Acredita-se que a análise do evento chamado F-1 é de suma importância, já que confirma as manifestações anteriormente pesquisadas — muitos dos UFOs e fenômenos luminosos anômalos descritos na obra se originaram exatamente naquela região. Além disso, outros acontecimentos são relatados pela polícia de Vieques, pela Marinha, por funcionários da prefeitura local, pescadores, pilotos, manifestantes pacifistas civis e moradores. Enfim, os registros de objetos voadores não identificados são incontáveis na área.

Bloqueio a um país livre

Na ilha de Vieques, ao longo dos anos, importantes incidentes ufológicos vêm sendo registrados desde 2000. Na ocasião, após a prisão de manifestantes civis, no dia 04 de maio, muitas ocorrências foram relatadas. O evento foi marcado pelo bloqueio da ilha por navios da Guarda Costeira norte-americana, que impediram os pescadores de saírem ao mar para trabalhar. Como que a observar o conflito, outras inteligências cósmicas manifestaram-se em discos voadores em vários lugares da ilha. Alguns casos foram tratados pelo programa de rádio Fuego Cruzado, muito popular em Porto Rico, que aborda assuntos políticos e sociais — nele, a atitude dos Estados Unidos foi duramente questionada.

Durante uma das apresentações no programa, o analista Carlos Gallisá perguntou quem deu a ordem para que a Guarda Costeira agisse daquela maneira, já que sob condições normais seus militares não estariam autorizados a realizar bloqueios. Até mesmo o cientista político Ignácio Rivera, pró-Estados Unidos, fez o mesmo questionamento. O que todos queriam saber era, enfim, o que estaria por trás das manobras hostis? O que os militares norte-americanos estavam escondendo, a ponto de imporem um bloqueio a um país livre? Como se viria a saber depois, não só nesta, mas em muitas outras ocasiões eles estavam interessados em observar e registrar ocorrências ufológicas em Porto Rico — e em alguns casos exageraram ao tentar fazê-lo, impedindo até que a população veja seus atos.

crédito: JPL
O ônibus espacial da NASA, atualmente aposentado, foi seguido de perto por UFOs durante muitas de suas missões em órbita do planeta, mas a agência espacial nunca confirmou os fatos
O ônibus espacial da NASA, atualmente aposentado, foi seguido de perto por UFOs durante muitas de suas missões em órbita do planeta, mas a agência espacial nunca confirmou os fatos

Porém, a política de acobertamento sobre a manobra militar não perdurou e logo se descobriu que as autoridades estavam agindo sob ordens secretas emitidas diretamente pelo ex-presidente norte-americano Bill Clinton, que declarou que Vieques estava “em estado de rebelião”. Mas, ainda fica a dúvida, por que os atos pacíficos de protesto foram considerados ações de rebeldia? A ordem secreta e especial tinha sido emitida por Clinton com base nas leis estabelecidas pelo United States National Security Act [Ato de Segurança Nacional dos Estados Unidos], segundo o qual a situação na localidade era tensa e prejudicial aos interesses norte-americanos, “sobretudo às relações com uma nação que não identificaram”, garantia um memorando que vazou para a imprensa. Esta menção a uma nação supostamente inimiga e desconhecida, citada como causadora do bloqueio, deixou ainda mais perplexos os analistas, que insistiram em saber, afinal, que país seria esse.

Luz amarela muito intensa

Sem perceber, os norte-americanos tocaram em um ponto nevrálgico, que vinha preocupando os estrategistas de segurança nacional daquele país. A resposta para as perguntas acima poderia muito bem estar no termo “poder estrangeiro”, também utilizado pelo ex-presidente no referido memorando. Acredita-se que ele estava, na verdade, se referindo a uma civilização alienígena, representada por seres que parecem viver no subsolo da região da floresta de El Yunque, a leste de Porto Rico, ou sob o mar, em torno da ilha de Vieques. Mais do que meras especulações, tais conclusões são sustentadas por uma cuidadosa observação do Fenômeno UFO na área, acompanhada de documentação de ocorrências de todos os tipos — especialmente de naves entrando e saindo do oceano — e da monitoração da ação militar norte-americana a respeito de tais casos.

crédito: Fotos NASA
Registrados pelas missões STS-48 e STS-80 do ônibus espacial, os objetos aparecem nas telas dos veículos da NASA ora em voos solitários, ora em formação, inclusive triangular. Alguns registros mostram objetos saindo do oceano próximo de Porto Rico
Registrados pelas missões STS-48 e STS-80 do ônibus espacial, os objetos aparecem nas telas dos veículos da NASA ora em voos solitários, ora em formação, inclusive triangular. Alguns registros mostram objetos saindo do oceano próximo de Porto Rico

Evidências de UFOs triangulares pairando sobre pistas de pouso da Marinha norte-americana e saindo do mar comprovam a gravidade dos fatos. Um exemplo está na entrevista concedida pelo diretor da polícia municipal de Vieques, Wilfredo Feliciano Santos, que falou sobre uma série de importantes avistamentos que ele próprio protagonizou. O primeiro aconteceu durante o verão de 1997, em torno das 21h00. Santos estava dirigindo seu carro na Estrada 997, que liga Esperanza a Isabel, quando, no cruzamento próximo a um lugar chamado Beco da Marta, percebeu uma luz amarela muito intensa, parada no ar a poucos metros dele. Intrigado, estacionou o automóvel para poder observá-la com mais cuidado. “Era um grande objeto triangular, completamente encoberto por um brilho amarelo. Parecia estar a 150 m acima da área militar dos Estados Unidos pertencente ao Campo García [Um campo de treinamento da ilha]”.

Santos alega que calculou a altura do objeto comparando-a com a de algumas árvores próximas. E o que mais o intrigou foi que aquilo estava voando exatamente sobre o lugar onde a Marinha tem uma pista de pouso. “Tenho certeza de que aquilo era um UFO!”, garante Santos. Checados os fatos, constatou-se que não havia exercícios militares na área naquele momento. Então, o que o tal triângulo de luz estava fazendo sobre a pista de pouso de uma instalação militar? “Ao me dar conta de que estava vendo algo que não deveria ver, fui embora imediatamente. Entretanto, daquele momento em diante, percebi que algo muito estranho acontecia nas áreas controladas pela Marinha dos Estados Unidos em Porto Rico”, declarou.

Artefatos sobre o oceano

Alguns dias depois, a esposa de Santos disse que também havia visto à noite um objeto parecido pairando exatamente sobre o mesmo lugar, sobre a pista de pouso de Campo Garcia. “Além disso, no final de semana seguinte, quando íamos à casa da minha sogra, observamos outro desses triângulos. Dessa vez, nossos filhos estavam conosco e também viram”, relembra o diretor. Todos avistaram o objeto nitidamente. Santos ainda relatou que parte de seu trabalho como policial municipal é patrulhar a parte oeste de Vieques — naquela época ainda sob controle da Marinha dos Estados Unidos — e em muitas ocasiões viu UFOs brilhantes saindo do mar no setor de Punta Arenas, sumindo velozmente à noite. Muitas vezes, os artefatos faziam evoluções rápidas no ar antes de irem embora. “Isso aconteceu em várias ocasiões, algumas vezes entre 21h00 e 23h00, e outras durante a madrugada. Eles saíam do mar em algum ponto entre Punta Arenas e a base naval de Roosevelt Roads, em Ceiba, Porto Rico”.

Vigilância aérea

Para o policial, o fato mais intrigante é que os acontecimentos se concentram sobre áreas controladas por militares, onde se faz exercícios secretos e a vigilância do espaço aéreo é constante. “Até parece que as naves têm ligação com as atividades militares desenvolvidas nas bases sobrevoadas. Se não, como explicar que pudessem efetuar suas manobras sem serem interceptadas?”, pergunta. Já Carlos Zenón, pescador da ilha de Vieques e um dos líderes do movimento contra a presença da Marinha norte-americana na região — o que lhe rendeu vários períodos na Prisão Federal Norte-Americana de Porto Rico —, foi testemunha juntamente com seu filho de vários fenômenos intrigantes.

Depois de se certificar da seriedade da investigação que este autor conduz na área, Zenón relatou alguns de seus impressionantes incidentes e falou sobre o possível envolvimento dos militares dos Estados Unidos com os eventos associados a UFOs e alienígenas vivenciados pela população. “Isso já ocorre aqui há muito tempo. Não é nada novo. Uma vez, em 1996, estava pescando em alto-mar junto com um companheiro e a poucos quilômetros ao sul de La Esperanza, quando vimos algo inesperado. Várias esferas brilhantes saíram do topo de Cerro Ventana, uma montanha localizada ao sul de Vieques”. Eram 21h00. De acordo com a testemunha, os globos de luz tinham uma tonalidade azulada e pareciam sair bem do alto da montanha. “Eles circularam a montanha e voaram em direção sul, passando por cima de nós. Faziam vários círculos rápidos e curvas em ângulo. Algo como um som muito fraco, tipo um assovio, quase inaudível, parecia vir deles”.

crédito: Jorge Mart ín
O diretor da polícia municipal de Vieques Wilfredo Feliciano Santos, que relatou uma série de importantes avistamentos que protagonizou em Porto Rico
O diretor da polícia municipal de Vieques Wilfredo Feliciano Santos, que relatou uma série de importantes avistamentos que protagonizou em Porto Rico

Depois disso, voltaram para Playa Grande e Cerro Ventana, áreas também controladas pela Marinha norte-americana, e desapareceram na montanha. “Foi como se eles se fundissem com ela”. Para ele, o incidente mais impressionante aconteceu em uma noite, quando estava pescando com o amigo Aníbal Corcino e seu pai. Na ocasião, haviam acabado de sair de La Esperanza e já avistaram um UFO de grandes proporções. Inicialmente, Zenón não percebeu o objeto porque era o capitão do navio e encarregado do leme. Mas seus acompanhantes avistaram algo estranho e o chamaram. “Eu me virei e vi aquela coisa enorme, um tipo de nave. Ela saiu do mar perto da lagoa da Playa Grande, subiu um pouco e começou a se mover em nossa direção. Se manteve a alguma distância, mas ainda assim claramente visível, devido ao seu tamanho”.

“A água do mar borbulhava”

Ainda segundo ele, era algo imenso, com luzes amarelas, azuis e vermelhas em torno de si. Além disso, tinha o formato de um disco e parecia ter entre 12 e 15 m de diâmetro. O mais curioso de tudo, conforme Zenón, é que o objeto parecia sugar a água do mar. “A água da superfície girava dentro de um círculo e borbulhava, como se estivesse fervendo dentro de um redemoinho. Parecia que estava entrando no disco como uma coluna de água. Ficamos muito impressionados”. Ainda de acordo com o pescador, havia uma coluna de luz verde brilhante, parecida com a de um refletor muito forte, que saía de um buraco embaixo do artefato. O raio era emitido verticalmente e a água subia através dele. “Depois disso, o objeto voou para oeste numa velocidade fantástica e desapareceu em questão de segundos”, destaca Zenón.

Muitas outras pessoas também já viram tais naves, tanto na região oeste quanto na leste de Vieques. E, se analisarmos essa situação mais detalhadamente, se observa que tais localidades são todas controladas pela Marinha dos Estados Unidos. Apesar disso, os moradores nunca denunciaram os casos — talvez com receio de represálias. Não é raro encontrarmos pessoas com histórias para contar e algum tipo de conhecimento sobre o que está acontecendo, embora muitas relutem. O curioso, no entanto, é que as autoridades norte-americanas parecem simplesmente não se importar com a presença desses objetos. “Por isso, nos perguntamos se há algum tipo de comunicação ou colaboração entre os tripulantes dessas naves e os militares da Marinha. Mas isso é algo de que temos certeza, embora seja uma situação complexa”.


É plausível concluir que o governo norte-americano esteja estudando secretamente alguma forma de tecnologia avançada, provavelmente oriunda de alienígenas, na região de Vieques, a exemplo de como se suspeita que ocorra na Área 51
Zenón nota que a população deve perguntar o que está acontecendo. “Por que os gringos nunca falaram sobre isso abertamente com a população de Porto Rico, se já estão aqui há 62 anos?”, questiona. Tantas manifestações fazem concluir que existe algum motivo oculto para que a Marinha dos Estados Unidos tenha expulsado os habitantes de Vieques de suas terras, deixando-os somente com uma pequena parte central da ilha — eles controlam praticamente todo o território insular, onde há grandes extensões de áreas desabitadas, com montanhas e praias às quais a população não tem acesso. “Se a Marinha está envolvida de alguma maneira com essas naves, parece então muito conveniente para eles que as manobras ocorram nas áreas vazias, porque ninguém vai ver o que está acontecendo”, afirma Zenón corajosamente.

Tal como na Área 51

A testemunha acredita que é perfeitamente plausível concluir que o governo norte-americano esteja estudando secretamente alguma forma de tecnologia avançada, provavelmente oriunda de alienígenas, na região de Vieques, a exemplo de como se suspeita que ocorra na Área 51, no estado de Nevada, Estados Unidos. “Quem sabe? Talvez as coisas que vimos estejam relacionadas aos protótipos de novos aviões, desenvolvidos e testados secretamente. Eles poderiam estar em contato, se comunicar com a tripulação desses UFOs e simplesmente não querer que o público saiba”, arrisca Zenón. Apesar disso, ele analisa o assunto com cautela. O homem diz que ficou em silêncio esse tempo todo porque as pessoas podem duvidar do que fala sobre os discos voadores. “Muita gente não teve a oportunidade de ver uma dessas naves, especialmente uma tão grande quanto a que vi”.

Enfim, sabemos perfeitamente que agências governamentais norte-americanas têm manipulado a opinião pública para que as pessoas não acreditem que aquilo que estão vendo é real. Sabemos também que eles trabalham com políticas de desinformação, para fazer com que as pessoas pensem que os UFOs e seres extraterrestres não existem ou não sejam algo relevante. “Creio que, se falássemos mais a respeito, os militares provavelmente começariam alguma campanha para nos ridicularizar perante a comunidade e, ao mesmo tempo, tentariam utilizá-la para desacreditar os esforços dos habitantes de Vieques para acabar com os exercícios de bombardeio da Marinha aqui na ilha”, lembra o pescador. A coisa é muito mais séria do que parece e chegou o momento de falarmos desse assunto, de levantarmos o véu de mistério que cerca a situação.

crédito: TIME
O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton teria dado ordens para a realização de operações secretas em Porto Rico, que os ufólogos locais suspeitam ter ligações com a atividades alienígena
O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton teria dado ordens para a realização de operações secretas em Porto Rico, que os ufólogos locais suspeitam ter ligações com a atividades alienígena

É preciso que se informe ao mundo que a Marinha dos Estados Unidos utiliza armas químicas e biológicas em seus testes em Vieques, uma ilha habitada — mesmo sabendo que seu uso é proibido próximo a tais regiões. As autoridades negavam tais fatos até recentemente, quando uma denúncia formal foi confirmada por documentos do Pentágono. O vazamento de documentos mostrou que os militares chegaram a utilizar urânio enfraquecido em suas experiências, apesar de também negarem isso, até que tudo foi provado. Zenón acredita que as organizações podem estar utilizando Vieques para fazer contato com os tripulantes de naves alienígenas, mantendo tais fatos em segredo. “Talvez, se um grupo investigasse essas ocorrências e descobrisse o que realmente está acontecendo, a Marinha se sentiria forçada a reconhecer publicamente os fatos”.

Armas químicas e biológicas

Definitivamente, não restam dúvidas de que há muita coisa irregular acontecendo e as autoridades norte-americanas estão envolvidas — e precisamos saber o que é. E no meio desta equação está uma elevada incidência de objetos submarinos não identificados. Desde 2005, a Marinha suspendeu os bombardeios e manobras militares em Vieques, exceto em uma faixa de terra na parte oeste da ilha — todas as outras áreas que eram monitoradas pelas agências militares foram repassadas para o controle do Departamento Interno norte-americano, que ainda transformou as áreas em refúgios da vida selvagem. Entre elas estão o Campo Garcia, local de constantes atividades militares, a região de Playa Grande, onde uma base de radar está localizada, e também a Lagoa de Kiani. Agora, o acesso a essas regiões é ainda mais restrito ao público do que na época em que a Marinha os controlava. Entretanto, ainda resta a dúvida: o que mais pode estar acontecendo nesses lugares para que sejam mantidos escondidos da população de Porto Rico e do resto do mundo?


Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO. O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site.

Login

Sobre o Autor

Jorge Martín

É editor da Revista Evidència Ovni.

Comentários